Páginas

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Exposição Zé Kleber



Um dos paratienses mais conhecidos será tema de Exposição no Silo Cultural. Convidamos a todos para o coquetel de abertura dia 29 de janeiro às 20h e visitação até 20 de fevereiro. Os visitantes poderão conhecer um pouco mais sobre a vida e obra de Zé Kleber, grande poeta, músico e ator. Esta exposição já esteve aberta em outras ocasiões, mas desta vez seus painéis serão acompanhados por objetos pessoais do homenageado, como fotos, manuscritos e troféu Casimiro de Abreu – II Torneio Nacional da Poesia Falada.


Quem é Zé Kleber?


Arquivo pessoal
José Kleber é filho de antigas famílias de Paraty, as famílias Martins, Almeida e Cruz. Após passar parte de sua infância e juventude em outras cidades, formou-se advogado e mudou-se para Paraty, onde advogou direito cível e criminal, ocupando por um tempo a função de promotor público.

Deu aulas no Ginásio Paratiense, onde se tornou o ídolo daquela geração por sua inteligência e dinamismo. Em razão de suas ideias revolucionárias, foi perseguido após a Revolução de 1964, sendo inclusive processado, porém absolvido. 
Durante toda a sua vida, foi um boêmio inveterado, amigo de serestas, bailes e grandes farras. Nestes encontros, travou conhecimento com expoentes da literatura, música e artes plásticas que frequentavam Paraty. Ainda jovem, publicou no Rio de Janeiro seu primeiro livro de poemas – Praia do Sono, em que destaca a bucólica Paraty que conheceu. 
O Valhacouto, um bar que abriu em Paraty, foi o “point” dos turistas até seu fechamento, e reunia a “nata” da intelectualidade paulista e carioca que aqui vinha. Este é o período mais fértil de sua criatividade literária, como as Odes e Elegias, e as canções até hoje cantadas pelo povo.
Participou de diversos filmes aqui rodados, como Azilo muito louco, Memórias do Cárcere, contracenando Leila Diniz em Mãos Vazias, quase todos rodados em sua fazendo na Itatinga. Por um tempo afastou-se da vida urbana e passou a residir nesta fazenda, onde reunia os amigos e os “loucos”, hippies do tempo “faça amor, não faça guerra” e “sexo, drogas e rock and roll”. 
Dono de uma memória extraordinária e de uma voz envolvente, era fã declarado dos poetas portugueses José Régio e Fernando Pessoa, de quem declamava imensos e belos poemas, intercalados às suas canções e baladas. O hino extra-oficial da Cidade é de sua autoria. Nos carnavais ainda se executam suas marchas ranchos, conhecidas por todos.


Diuner Mellor
Historiador Paratiense 


Serviço
Coquetel: 29 de janeiro às 20h.
Data: De 29 de janeiro a 20 de fevereiro de 2014.
Horário: Segunda a sexta, de 09h-12h/13h-18h.
Local: Silo Cultural – Rua Dr. Samuel Costa, 12, Centro Histórico (Em frente a Casa da Cultura)
Entrada: Gratuita.
Recomendação Etária: Livre.



Nenhum comentário: